O começo

Vivi muito tempo na adeia do **** , deram-me o nome de Rita... Rita Ferreira.  Era uma "saloia" não sabia o que era uma cidade porque nunca tinha ido a nenhuma. Era a melhor aluna da classe, eu queria ser a melhor em tudo, estudava imenso. Ainda hoje quero ser a melhor em tudo, mas agora percebo que não se pode ser o "melhor" porque não existe, melhor !
O meu mundo era tão pequenino eu so conhecia o foclore transmontano, só conhecia as vacas e as ovelhas da minha vizinha, só conhecia o meu mundo. Aquele mundo pequenino ! Lembro-me de implorar vezes sem conta a minha mãe para ela me mostrar mais, ela dizia apenas " não queiras conhecer, o que te faz mal", eu ficava bastante zangada, e lá ia eu a resmungar para a cascata . Era lá que eu passava a maior parte do tempo, a imaginar o infinito do céu, e o cheiro do prefume das rosas. E ali pasava eu horas e horas, não tinha amigos, eles achavam que eu era uma seca, mas sinceramente nunca percisei de amigos, secalhar porque nunca os tive. Divertia-me sozinha , no meu pequeno mundo, por enquanto!
Acordei num dia de verão, no meu colchão feito de palha e algodão, a ouvir o canto dos passaros, levatei-me passei as mãos pelos olhos. Fui no entanto a casa de banho , tomei um duche, e fui-me vestir. Achei estranho não ver a minha mãe, ela custamava sempre ir dar-me um beijinho de bom dia antes de ir fazer pão pra vender no dia seguinte. Mas tambem não dei muita importância.
De seguida fui até a cozinha comer o meu pão matinal com a minha geleia de laranja ! 

3 comentários:

andreia sofia disse...

quero mais :) muito mais !

Rita Ferreira disse...

ahah tens de esperar :P

Carla disse...

uau escreves muito bem mesmo (: